Terça, 02 October 2018 10:16

Crônica de Paulo César Cedran: Ângela e Cauby - Começaria tudo outra vez Destaque

Escrito por
Avalie este item
(1 Voto)

Capa cronica

Não chegou a se completar pouco mais que um ano e o casal de ouro da Era do Rádio desapareceu.

 

Cauby Peixoto faleceu em 15 de maio de 2016 e sua companheira musical em 29 de setembro de 2018. Com a morte destas duas estrelas da música popular brasileira, encerrou-se um período em que o cantar era muito mais que o representar dos dias atuais. Revendo o DVD de Cauby Peixoto gravado em 2005 conhecemos um pouco de todo o seu rigor ao tratar a arte da música.

A entonação de voz, o timbre, os volteios e a peculiar interpretação fizeram deste DVD uma verdadeira aula para os apreciadores da música, da melodia e do saber cantar e interpretar. Com Angela, não foi diferente, sua carreira de 70 anos foi marcada por uma vida muito sofrida principalmente no amor. Parece que esta marca a tornou ainda mais verdadeira a ponto de confundir se estava interpretando ou vivenciando os disabores do amor e seus sofrimentos.

Quando sua carreira para muitos estava encerrada, Angela Maria retornou com o CD Ângela Maria e Amigos de 1996 da gravadora Columbia e fez do bolero Falhaste Coração (Fallaste Corazon) da década de 60 o grande sucesso neste CD de 1996. Em uma parceria inusitada com Zezé de Camargo e Luciano, esta regravação marcada pelos timbres altos de seus interpretes a tornou ainda mais espetacular. 

Cauby Peixoto no DVD ao vivo em Recife, gravado no Teatro Guararapes fez um verdadeiro passeio pelo melhor da música popular brasileira e Tb internacional. A cada momento ele nos emocionou desde a sua clássica Conceição sem falar da música Something dos Beatles, que ganhou um toque especial na sua estupenda interpretação. Mas é ouvir Cauby interpretando Foi Deus que sentimos um verdadeiro arrepio diante de sua confissão de amor a vida, a música e a sua efemeridade.

Quando ele canta Foi Deus, sentimos a mesma dor deste triste fado que assim nos encanta: “Foi Deus que me pôs no peito, um rosário de penas. Que vou desfiando e choro ao cantar. Fez o poeta, o rouxinol. Pôs no campo o alecrim. Deu flores, a primavera. Ai, deu esta voz a mim.”

Ângela Maria é insuperável na sua interpretação de Babalu, mas volto ao bolero Falhaste Coração por acreditar que ele sintetiza todo seu sofrimento nos desencontros do amor quando ela canta: “Maldito coração. Me alegras que tu sofras! Que chores, que te humilhes, assim, frente a este amor. A vida é uma roleta em que apostamos tudo. A a ti sempre foi dado o direito de ganhar. Mas hoje a tua sorte faltou, não vai chegar. Falhaste coração! Não voltes a jogar.”

Como recomendação do que considero a parceria perfeita de Ângela e Cauby minha sugestão é o CD Ângela e Cayby ao Vivo, lançado pela RCA Records em 15/04/1993 eles nos mostra o quanto ao menos na música e nos palcos este casal de cantores simbolizaram o amor no seu mais profundo romantismo que embalou por décadas casais apaixonados. Tenho certeza que Ângela e Cauby, Começariam: “tudo outra vez, se preciso fosse meu amor”. Hoje enterrados juntos, com certeza bailam: 

 

* Paulo César Cedran é Mestre em Sociologia, Doutor em Educação Escolar pela Unesp de Araraquara, Supervisor de Ensino da Diretoria de Ensino – Região de Taquaritinga, Docente do Centro Universitário Moura Lacerda de Jaboticabal e  Uniesp - Taquaritinga. E-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

 

Portal de Notícias Hora1
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. 

 

Informações adicionais

  • Aviso: © Copyright 2015 - Portal Process. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação falado ou televisivo, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Portal Process.
Lido 576 vezes Última modificação em Terça, 02 October 2018 10:37

Deixe um comentário

Comente à vontade, apenas ressaltamos que nosso Portal Hora1 (Process) não aceita ofensas gratuitas, palavrões e expressões que possam configurar crime, ou seja, comentários que ataquem a honra, a moral ou imputem crimes sem comprovação a quem quer que seja. Seu comentário será aprovado em até 12 horas a partir da postagem.